Volatilidade nos Investimentos e no Bitcoin: entenda tudo

O mercado de investimentos e de Bitcoin é cheio de possibilidades e, certamente, no meio de todos esses cenários, há uma porção de características que devem ser levadas em conta na hora de escolher qual é a melhor aplicação.

Uma delas, muito importante para a tomada de decisão, é, definitivamente, a volatilidade nos investimentos. Por isso neste texto abordaremos o que ela é e como afeta os seus ativos. Confira!

O que é a volatilidade dos investimentos?

Quando pensamos em aplicações, além do lucro que elas proporcionam, precisamos considerar outras variações. Temos por exemplo que analisar um outro fator que afeta diretamente o seu desempenho: a volatilidade.

Em uma definição mais básica, ela é a diferença de valor que um investimento pode alcançar durante determinado período de tempo. Essa disparidade pode ser tanto positiva quanto negativa, e é uma medida fundamental para compreender se a aplicação é segura.

Um exemplo de como essa medida funciona é pensarmos em um investimento que vale R$ 200 e que, em um dia, teve uma variação positiva diária de R$ 20, ou seja, aumentou 10% e passou valer R$ 220. Essa alteração é o que chamamos de volatilidade.

Como a volatilidade é calculada?

Como a volatilidade é uma variante e depende de cada tipo de investimento, não há apenas uma maneira de calculá-la. Contudo, comumente, ela é medida a partir do histórico da aplicação.

Para chegar a uma estimativa da possível oscilação, essa informação deve ser analisada. Por causa de todo esse processo, essa volatilidade é conhecida como absoluta.

Há também a volatilidade relativa: essa é definida a partir do comportamento do próprio mercado. Dessa forma, um índice beta é determinado para um ativo específico e o seu valor é comparado com a taxa do mercado.

Além desses dois tipos, ainda existem três definições de volatilidade:

  • histórica: é um tipo de volatilidade bem conhecido no universo da economia, e seu cálculo é originário das variações dos preços durante um longo tempo. Ela também pode ser utilizada para antecipar o número de outra volatilidade, contudo, não significa que seja realmente o valor final;
  • implícita: pode surgir como uma previsão da volatilidade futura utilizada pelo mercado financeiro. Seu cálculo acontece por meio da histórica e de mais outras condições, como o valor do investimento;
  • real: é a que reflete a variação verdadeira do preço da aplicação no futuro. Curiosamente, assim que é formada, ela se transforma na histórica.

Qual é o impacto da volatilidade nos investimentos?

Como sabemos, existem muitos tipos de investimentos e a volatilidade pode influenciá-los de maneiras muito distintas. Por exemplo, se o seu objetivo é aplicar em fundos de investimentos, é preciso estar bem atento a ela. Nesse caso, não importa se são fundos de renda fixa de curto ou longo prazo ou se são ações.

Os fundos de investimentos podem ter tanto uma volatilidade maior quanto menor. No primeiro caso, as chances de lucro são melhores, entretanto, há mais risco de perda. No segundo, o risco é mais reduzido.

Já em relação às ações, a volatilidade é fundamental para analisar os ativos, porém a questão de risco é a mesma se comparada com os fundos. Quanto mais volatilidade, mais chances de lucros, mas também de perdas.

Caso o seu interesse seja investir em ações, o site da B3 tem um espaço com a volatilidade dos ativos disponíveis no mercado. É interessante dar uma olhada.

Agora se o seu objetivo é procurar investimentos menos arriscados, o Tesouro Direto pode ser uma boa aplicação. A sua volatilidade é baixa, e por ser um investimento pós-fixado em renda fixa, é possível saber o seu rendimento até o final da aplicação.

Quais os riscos provenientes da volatilidade?

É impossível separar risco de volatilidade, pois são concepções que dependem uma da outra. Contudo, antes de determinar quais os riscos que a volatilidade pode trazer para um investimento, precisamos definir o que é risco.

Tratando-se de economia, risco é a possibilidade de a aplicação ter um valor diferente do que você espera. Isso significa que ele está relacionado com a chance de perda ou ganho de uma parte do investimento ou até de seu total.

É aí que entra a volatilidade, pois você precisará medir essa possibilidade de ganho ou perda de uma aplicação. Dessa maneira, quando um ativo é considerado muito arriscado, nós dizemos que ele é mais volátil do que uma aplicação mais segura.

Como utilizar a volatilidade ao seu favor?

Já deu para perceber a importância da volatilidade para medir o risco de um investimento, não é? Pois bem, se você conseguiu compreender como ela está ligada às possibilidades de lucro e de perda de um ativo, já pode começar a analisar as aplicações do seu interesse de uma forma melhor.

De maneira geral, tenha em mente que a volatilidade pode ser usada para perceber melhores oportunidades de ganhos nos seus investimentos financeiros. Assim, é possível que você faça escolhas mais conscientes para compor a sua carteira.

O ideal é que você procure diversificá-los para atingir esse objetivo e diminuir os danos. Além disso, observar a volatilidade do mercado, de uma maneira geral, também pode ajudar a atingir bons resultados em seus investimentos.

Como aplicar em investimentos voláteis?

O primeiro passo para investir em aplicações que têm algum grau de volatilidade é analisar suas condições, ou seja, você deve conhecer bem o tipo de investimento que quer e analisar o grau de variação que ele oferece.

Nesse contexto, é importante observar o seu histórico e o momento que o mercado está passando, atualizando-se constantemente das notícias e do desempenho do investimento escolhido. E não se esqueça de que é importante saber qual o momento certo de resgatar o seu dinheiro. Dessa maneira você evita se prejudicar no futuro.

Com este post acreditamos que você tenha todas as informações necessárias para entender o que é volatilidade dos investimentos e como ela é uma medida crucial para saber quais são os seus riscos e se valem ou não a pena.

Volatilidade no Bitcoin

Para quem está começando a entender a dinâmica das criptomoedas, já deve ter se assustado com a variação do Bitcoin. A sua volatilidade deixa algumas pessoas um tanto quanto inseguras, achando que investir em uma moeda que muda de valor constantemente pode ser arriscado.

Mas essa variação tem um motivo, ou melhor, diversos! E, obviamente, antes de investir em Bitcoins, você precisa entender o porque isso acontece e quais são os impactos no seu dinheiro. Dá uma olhada!

Moeda menos volátil

Por incrível que pareça, dentro do mercado de criptomoedas, o Bitcoin pode ser considerado uma das moedas digitais menos voláteis disponíveis. As oscilações das demais são muito maiores comparadas ao BTC.

De fato, o Bitcoin é uma moeda mais líquida, suas transações e carteiras são mais complexas, assim como a demanda de compra e venda. Mesmo assim, o Bitcoin ainda é mais volátil que as moedas tradicionais reguladas pelos bancos.

Especulação

Não que a mídia seja responsável direta pela volatilidade no preço do Bitcoin, mas ela está ligada a todas as informações que são veiculadas sobre a criptomoeda e sua cotação. E isso pode afetar de certa forma o preço.

Por exemplo, quando um investidor conhecido no mercado, que tenha influência, compartilha alguma informação positiva sobre a moeda, e isso repercute na mídia, a tendência é que haja algum impacto em seu valor.

Mas, ao mesmo tempo, se houver uma situação ao contrária, em que alguém renomado fale mal do Bitcoin, o preço pode ser afetado negativamente. Vale notar ainda que, conforme o mercado amadurece, esse tipo de influência tende a diminuir.

Oferta e demanda

Quando criado, o protocolo do Bitcoin determinou que haveria um número máximo de moedas que estariam disponíveis para circulação. Então, com a popularidade da moeda, como ela tem um fim, isso pode afetar no seu preço.

Isso acontece por conta da lei da Oferta e Demanda,: quanto mais escasso o produto e maior a procura, mais caro ele será. Mas, os preços também podem cair, caso a procura diminua por algum motivo específico.

Mudanças internas

Por mais que o Bitcoin seja uma moeda descentralizada, que não tenha nenhum órgão que regule o seu funcionamento, muitas vezes, a comunidade da criptomoeda tem o poder de tomar algumas decisões.

Isso geralmente acontece para definir como a tecnologia da Blockchain irá funcionar, por exemplo. Então, se há algum hard fork, isso pode gerar volatilidade na moeda, e foi o que aconteceu com o SegWit.

Confiança

Antes, o Bitcoin era um buraco negro para as pessoas. Mas, agora, elas confiam mais na sua eficácia e, principalmente, na sua segurança. Hoje, essa confiança aumentou, ainda mais porque instituições financeiras se mostram muito interessadas no Bitcoin.
Esse crescimento faz com que mais pessoas procurem a moeda, refletindo na sua cotação.

Aceitação

Além da confiança que as pessoas estão depositando no Bitcoin, existe uma maior aceitação no mercado da circulação do BTC. A partir do momento que a moeda começa a ser aceita para pagamento e transações, isso pode influenciar no seu preço.

Mas, ao mesmo tempo, com a sua popularização total e as pessoas vendo essa criptomoeda muito mais como um dinheiro de fato, ao invés de ser uma forma a mais de ganhar dinheiro, a tendência é que ela se estabilize.

Voltar para posts

A revolução financeira é para todos.
Cadastre-se no Quantum!

ABRIR MINHA CONTA