Diversificação de investimentos: por que é importante?

É comum ouvir a frase “você não deve colocar todos os ovos na mesma cesta” para se referir à diversificação de investimentos. Em partes, essa máxima está certa. Porém, ela dá a sensação de que não se deve ter uma parte relevante do capital em um investimento apenas, ou seja, não colocar mais do que 50% dos seus investimentos em um lugar apenas.

Nesse aspecto, é possível discordar um pouco, mesmo concordando com o sentido direto. Entenda melhor como isso funciona e qual é a importância de diversificar as aplicações financeiras.

O que isso significa?

Se você realmente conhece um tipo de investimento específico, não há problema algum em colocar boa parte do seu capital nele. Porém, alguns pontos devem ser considerados: mesmo sendo um expert no ramo, sempre há o risco do investimento dar errado e você perder boa parte do seu capital.

Cabe, portanto, ao investidor saber os limites de risco que quer correr. Vale, sim, a pena concentrar boa parte do capital em uma aplicação em que seja especialista. Lembre-se, no entanto, que se você colocar 100% do que possui em um único investimento e ele zerar, seu patrimônio também zera.

Entretanto, ao fazer uma diversificação de investimentos, você diminuirá consideravelmente os riscos de perda. Nesse sentido, na hora de diversificar é importante observar a maneira como essa diversificação de investimentos está sendo feita.

Digamos que você é o encarregado de levar duas pessoas para uma conferência e elas são as únicas pessoas que sabem o segredo da fórmula da Coca-Cola. Se você levá-las de avião para a viagem, não pode dizer que diminuiu o risco colocando uma junto com o piloto e outra no fundo do avião. Se a aeronave cair, a fórmula da bebida estará perdida.

Essa analogia ajuda a refletir sobre como os investidores diversificam as aplicações. Até que ponto sua diversificação não está sendo simplesmente colocar uma pessoa em cada ponta do avião e rezar para que nada dê errado?

Que tal um exemplo?

Um investidor conservador possui uma carteira de investimentos concentrada em diversos ativos de renda fixa, principalmente CDBs (Certificados de Depósitos Bancários). Além disso, ele decidiu diversificar com alguns fundos de investimentos em renda fixa e algumas ações de bancos.

Nesse caso, o investidor está em diversos mercados, mas continua praticamente no mesmo ramo. O investimento está em “diversas áreas do avião”. Caso haja um acidente, como uma forte recessão do setor bancário ou a queda da Selic, o patrimônio sofrerá prejuízos.

Agora pare e pense um pouco em como você pode “colocar as pessoas em aviões diferentes” para, assim, maximizar o lucro e reduzir o risco de seus investimentos de forma significativa.

Veja um exemplo de uma diversificação que realmente protege o investidor: uma carteira com alguns fundos de investimentos tanto em renda fixa quanto em renda variável, algumas ações de empresas de diferentes setores e tamanhos e uma parte do capital também para investimentos mais voláteis, como o Bitcoin ou até mesmo outras criptomoedas.

Investir em mercados diferentes faz com que muitas vezes uma queda em um ativo seja compensada por outro que está subindo e isso ocorre frequentemente pelos mesmos motivos.

Basta pensar que quando a taxa Selic é cortada pelo Copom (Comitê de Política Monetária), os ativos em renda fixa atrelados à Selic perdem rendimento. Porém, o mercado de ações sobe com a notícia.

Em dezembro deste ano, no dia 17/12, a Bovespa operava em queda. Vejamos como a carteira diversificada mencionada acima teria se saído nessa hipótese. O investimento em fundos de renda fixa ficaria praticamente intacto. A maioria das ações teria caído, mas aquelas ligadas a alguns setores poderia até crescer.

De fato, enquanto diversos fatores levaram as companhias a perder pontos, a Embraer chegou a subir mais de 7%. Isso ocorreu depois que a empresa anunciou uma parceria com a Boeing. Ou seja, o que para alguns pode não fazer diferença ou até desvalorizar o ativo, por outro, pode ser a oportunidade ideal de crescimento.

Então, por que a diversificação de investimentos é importante?

Mesmo em um dos piores dias para a Bovespa, as perdas em uma aplicação seriam compensadas pelos rendimentos em outros. Ao manter a carteira de investimentos diversificada, isso ajudaria a protegê-la de um evento inesperado.

Voltar para posts

A revolução financeira é para todos.
Cadastre-se no Quantum!

ABRIR MINHA CONTA